31
Julho

6 erros que você não pode cometer como afiliado

O marketing de afiliados cada vez mais atrai novas pessoas que desejam ter seu próprio negócio digital. Fazer parte deste programa traz autonomia e liberdade de tempo, além de possobilitar uma renda que, com dedicação e bom trabalho, pode trazer a tão sonhada estabilidade financeira. Os benefícios almejados podem levar algumas pessoas a cometerem erros que podem atrapalhar o bom andamento de seus ganhos. Veja 6 falhas cometidas por quem está começando e como evitá-las.

 

1. Comprar listas de e-mails
Talvez o maior equívoco de todos. Começa errado quem, ao em vez de criar sua própria lista, resolve comprar uma base de e-mails que não têm a menor ideia que vão receber suas mensagens. Pior que isso é ignorar o fato de que, provavelmente, elas não terão o menor interesse no que você tem a oferecer. Por este motivo, será um dinheiro mal investido e que terá pouquíssimas chances de retorno.

 

A compra de listas de e-mail é uma prática ruim para todos: pra você, pro público e, principalmente, para quem você está divulgando, empresa ou produto. Além de impactar negativamente na imagem dos envolvidos, afasta os potenciais clientes.

 

O ideal é construir sua lista aos poucos com práticas interessantes:
- produzir conteúdos relevantes sobre seu nicho
> atraindo assim consumidores interessados;
- criar e-books e promovê-los em landing pages
> iniciando assim uma lista de e-mail;
- utilizar caixas de captura de e-mail no blog
> ou criar box de assinatura de newsletters.

2. Divulgar diferentes ofertas para a mesma audiência
Outro problema é promover diversas ofertas que não se relacionam para o mesmo público. É fato que os perfis de público alvo não é o mesmo para ofertas diferentes. Então, não faz sentido agrupar os dois grupos de consumidores em uma única lista.

 

Quem se interessa por contéudos sobre vida saudável e exercícios para fazer em casa, dificilmente terá o mesmo engajamento quando os conteúdos forem sobre Direito e Constituição. A mistura de conteúdos, de nichos e de ofertas, podem afastar aquele público desinteressado e diminuir as suas chances de conversão.

 

O ideal é usar estratégias diferentes para cada nicho, como um blog para cada segmento, um sobre vida saudável e outro com o foco em Direito. Com isso, você forma listas próprias de acordo público. É mais trabalho, mas o retorno também será maior. Sempre segmente seus conteúdos para ter mais chances de sucesso.

 

3. Exagerar nas propagandas e faltar conteúdos
Não é necessário fazer propaganda sempre. Não é a quantidade de banners, links ou e-mails que gera mais lucro, é a qualidade do conteúdo gerado. O que atrai uma audiência para seus canais é a relevância e a utilidade do conteúdo publicado, por este motivo, é necessário reforçar sempre a importância de usar os princípios do marketing para gerar conteúdos de qualidade e focar em seus potenciais clientes.

 

Mas como considerar um conteúdo relevante?
Por exemplo: se o produto final a ser oferecido é uma vitamina para emagrecer, crie conteúdo voltado para a vida saudável, dicas de alimentação, exercícios para fazer em casa, entrevistas com profissionais da área. Coisas focadas nesse universo para atrair pessoas interessadas melhorar sua saúde, mas sem tempo para academia.

O objetivo do marketing de conteúdo é ajudar as pessoas, entender seus problemas para oferecer uma solução, e não empurrar ofertas sem saber se elas vão querer.

 

Então a propaganda é desnecessária?

De modo algum, mas é preciso saber utilizá-la de forma sábia e eficiente. Uma boa proporção seria 80% conteúdo e 20% propaganda. O objetivo é usar as ações de marketing somente nos momentos oportunos, quando houver um real interesse.

 

4. Não se relacionar adequadamente com o público
O sonho de todo mundo é aumentar o tráfego do blog, a lista de e-mails, o número de seguidores, mas muitos esquecem de interagir com as pessoas que comentam as publicações ou entram em contato. Jamais deixe as pessoas sem respostas.

 

Não adianta criar ótimos conteúdos, ter uma audiência ativa e não participar junto com ela. As pessoas podem se sentir ignoradas e pensar que você não se importa em criar um relacionamento com elas. Separe um tempo no seu dia para responder as interações que seus conteúdos tiveram, seja nas redes sociais, blog ou e-mail. Valorize a relação com o cliente, pois é através desta relação que vem a conversão.

 

5. Esquecer dos clientes após a compra
Após muito trabalho duro, você cria sua primeira lista de clientes. O erro de muitas pessoas é, a partir deste momento, descartar esses compradores da lista ou cessar o contato com eles, quando o melhor a fazer é manter a relação com esse público.

 

Você pode criar conteúdos voltados para quem já é cliente, como no caso citado anteriormente, se o produto é uma vitamina para emagrecer, você pode criar dicas para gerar mais resultados do produto. Esse é um conceito interessante porque ele demonstra o quanto você está disposto a fazer com que os compradores tenham sucesso com o produto adquirido, fortalecendo ainda mais a relação de confiança e gerando a fidelização. Com essa relação fortalecida, seu público pode até se tornar promotor de seu trabalho, ajudando a divulgar e trazer novos clientes.

 

Uma ideia que pode ser bom e para o público é, caso você trabalhe com um segundo produto que seja complementar ao primeiro, incluir esse consumidor em uma nova lista, com o objetivo de despertar nele o interesse de aumentar os seus resultados.

 

6. Deixar de mensurar e otimizar suas campanhas
Uma vantagem do marketing de afiliado é a oportunidade de monitorar e modificar sua estratégia de divulgação a qualquer momento. Ignorar estatísticas e métricas é um erro fatal para qualquer campanha, além de ficar sem saber o que deu errado.

 

Existem indicadores para avaliar praticamente todas ação:

• Blog: número de visitantes únicos, posts mais visitados, tempo de navegação, canais que mais geram tráfego, palavras-chave mais usadas pelo público para chegar ao blog;

• E-mail: taxa de abertura, taxa de cliques, taxa de conversão;

• Landing Page: taxa de conversão, visitantes, taxa de rejeição, custo por lead gerado;

• Página de Venda: taxa de venda, custo por cliente, ROI, ticket médio;

• Redes Sociais: curtidas, comentários, compartilhamentos e menções.

Não basta apenas analisar números, mas sim transformá-los em conclusões com o objetivo de reestruturar suas ações e otimizar os resultados das campanhas. Como uma troca de cores no layout do site ou alguma mudança nos títulos dos e-mails.

 

Erros podem acontecer em todas as fases do processo, desde o planejamento até o monitoramento, mas o importante é reconhecê-los e mudar sua tática. Resolver esses problemas é indispensáveis para a evolução do seu trabalho e rendimento.

 

Agora que você já sabe o que não fazer como afiliado, aprenda 10 dicas para fazer sucesso com o marketing de afiliados.

 

• equipe actionpay

 

Deixe uma resposta